Persona Non ‘Grata’.

Fúscia.

Foi a cor da minha noite.

E sonhar com quem não quero, faz-me transpirar toda a noite e acordar envolvido em suor. Acordar cheio de pensamentos, cheio de febre e imagens inoportunas e despropositadas.

Não quero lembrar, não quero que exista, não quero apenas. Estou seguramente, apenas, com quarenta graus de febre.

“Stansted.
São quase duas da manhã. A maioria das pessoas que me rodeiam dorme, mesmo que a cama seja feita de ardósia já por si fria aumentando o desconforto do momento,  outros olham pelas coisas dos que dormem e outros fingem que dormem. O cérebro está cansado, ansioso e a manhã ainda tarda.
O desconforto poderia ser pior, mas o coração está quente, está confortável, mesmo que somente aquecido por aquilo a que aqui se chama de café americano. 
 A poucos metros de mim acaba de se sentar um rosto cansado, ainda mais que o meu.  Por uns instantes fixo-me em si e apercebo-me dos seus traços, elegantes, suaves e nada exuberantes, que com suavidade receberam um toque ligeiro de maquilhagem. Os seus cabelos loiros, lisos, tapam-lhe o rosto, como forma de protecção talvez. Percebo que vai tentar dormir, ou talvez apenas descansar.
Com uma pintura desenha-se um rosto bonito e com uma escultura esculpe-se  um corpo esbelto. É a simplicidade que muitos anseiam e poucos a conseguem ter. 
Eu não consigo decidir se tente fechar os olhos, mesmo que a todo o momento seja obrigado a despertar vitima do barulho de  um qualquer transiunde que por mim passe ou se me mantenha acordado e me aventure numa longa espera.  Acho que me vou ficar pelo diálogo ou pelo monólogo, ou um qualquer dos dois.
Sou agora interrompido por uma clara voz, uma voz familiar e não fosse ela proveniente de uma língua aguçada. É típico, é típico de nós cobiçarmos o que é alheio, criticarmos o que outros fazem ou mesmo rebaixar-mos as capacidades de quem pouco tem para dar, mas quando o dá, dá!
Olho para trás e deparo-me com dois homens, jovens, descontraídos e despreocupados, são apenas dois trabalhadores, mas que num país que não o seu falam a sua língua quando querem dizer aquilo que não querem que se oiça.
Característica inconfundível.”

Veio-me só a dúvida de porque é que as vezes ainda me lembro. Veio-me só a ideia de que podia não me deixar contente, mas deixou.

Fico contente por ti.

Acho que por agora vou fechar os olhos.
Sinto-me bem afinal…

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s